segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Tema de novembro


Ahimsa e Veganismo
 
Ahimsa-pratishtayam-tat-sannidhau-vaira-tyagah (YSP II.35)
tema de novembro. ahimsa e veganismo Quando pare de machucar os outros, os demais vão parar de machucar você
  No Yoga Sutra o Sabio Patánjali nos da cinco recomendações conhecidas como yamas, o formas de conduta aos demais que todo aquele que deseja alcançar a liberação deveria adotar. O primeiro Yama é ahinsa, que quer dizer “não violência” Shi Brahmananda Sarasvati elabora este conceito e disse que “não violência” quer dizer “deixar qualquer animosidade dirigida a qualquer ser, de qualquer forma e em todo momento”  O yogui trata de causar o menor dano e sofrimento possível aos demais 
Atreves de uma pratica de yoga e veganismo, podemos dar nos conta de que estamos aquí para viveremos em harmonia com todos os animais, e com toda a natureza. Daremos conta que nosso corpo físico funciona melhor quando um para de colher o medo e exterminar a outros, e que não existe nutrientes que não se possa obter diretamente de fontes vegetais, ou luz do sol, daremos conta que podemos transformar nosso velho corpo e converter-nos em um ser de luz, completo – corpos sagrados, veículos para transmitir a paz. O garfo pode ser uma arma poderosa de destruição massiva, ou uma ferramenta para dirigir um movimento pacifico de coexistência. Ao adotar uma dieta vegana podemos deter a guerra, trazer a paz a nosso corpo, paz a outras nações, animais, e paz na terra.
Voce não causa violência comendo um alimento com consciência, não importa que tipo de alimento, infelizmente existe muita violência contra os animais, e contra tudo no mundo que vivemos, temos quer ser conscientes de tudo que fazemos. E de verdade tentar fazer as coisas para evitar a violência a ti e aos demais.  

Yoga VS Pilates





>>>>O metodo PILATES de condicionamento físico foi criado por Joseph Hubertus Pilates (1880 – 1967). Joseph Pilates era um alemão que, quando criança, era doente que sofria de raquitismo, asma e febre reumática. Na adolescência prevendo seu futuro numa cadeira-de-rodas começou a estudar, como autodidata, anatomia e fisiologia humana e fundamentos de medicina oriental(yoga). Com isso desenvolveu exercício em aparelhos rústicos inventados por ele. Praticando esses exercícios em aparelhos criou seu próprio método e tornou-se obcecado em superar suas limitações físicas. Com essa prática, ainda jovem tornou-se ginasta e mergulhador. Finalmente desenvolveu cerca de 500 exercícios que o ajudaram, bem como seus seguidores, a levar uma vida longa e saudável.


>>>>>O YOGA é uma antiga filosofia de vida que se originou na Índia há mais de 5000 anos. Não obstante, ele figura ainda hoje em todo o mundo como o mais antigo e holístico sistema para colocar em forma o corpo e a mente. Literalmente, Yoga significa união pois ele une e integra o corpo, a mente e nossas emoções para que sejamos capazes de agir de acordo com nossos pensamentos e com o que sentimos. O Yoga nos induz a um profundo relaxamento, tranqüilidade mental, concentração, clareza de pensamento e percepção interior juntamente com o fortalecimento do corpo físico e o desenvolvimento da flexibilidade.

As Técnicas do Yoga

Existem várias modalidades de Yoga, cada uma enfocando um aspecto mais do que outro. As técnicas mais utilizadas são:

Ásanas: os exercícios físicos que fortalecem o corpo, aumentam sua agilidade e previnem contra várias doenças, principalmente as psicossomáticas. Diferente de outros métodos, os exercícios são feitos respeitando o alinhamento das cadeias musculares e com total consciência do corpo. Assim, não há risco de distensões ou lesões. Além disso, os ásanas desbloqueiam áreas tensas que impedem o fluxo da energia vital. Em última análise, as doenças surgem quando esse fluxo não é adequado.

Pránáyáma: são os exercícios respiratórios. No ínicio, eles vão reeducar os músculos envolvidos na respiração ampliando-a e melhorando a absorção do oxigênio. Depois, eles atuam em nossas emoções auxiliando-nos a lidar melhor com elas e produzindo um estado de equilíbrio interior. Os pránáyámas também agem diretamente sobre nossa energia, aumentando-a e melhorando sua distribuição pelo corpo.

Yoganidra: aqui, aprendemos a descontrair conscientemente cada músculo e cada parte do nosso corpo. Depois, nos imaginamos envolvidos por uma cor específica ou passeamos mentalmente por praias paradisíacas, belas montanhas, campos floridos, etc. Tudo isso para que possamos sair da agitação do cotidiano e perceber outras formas de viver com mais tranqüilidade. A serenidade advinda desses momentos é deliciosa e permanece por vários dias.


Compare as seguintes posturas de Pilates e de Yoga:

PILATES: POSTURA DA PONTE



YOGA: SETUBANDHASANA

___________________________________________________________________________________

PILATES: SHORT AND LONG SPINE (VELA CURTA E VELA LONGA



YOGA: SARVANGASANA /VELA

___________________________________________________________________________________

PILATES: MONKEY (MACACO)


YOGA: PASCHIMATTANASANA



Perceberam algo em comun? :)



Segundo pesquisas, a Yoga e o Pilates têm se mostrado como duas formas muito eficientes para diminuir dores nas costas. É muito importante observar que existem diferentes tipos de problemas de coluna e um determinado exercício com excelentes resultados para um problema pode ajudar pouco ou não ter nenhum efeito num outro, podendo até mesmo prejudicar.

Um bom exemplo é quando existem partes da coluna apresentando pouca mobilidade normalmente região Torácica, nesses casos a região Lombar acaba ficando instável e propensa a lesões pelo excessivo uso destas vértebras ocasionado pelas atividades diárias, para compensar a falta de mobilidade da região Torácica. Quando em aula, se esse indivíduo realizar um exercício de rotação de tronco, sem ser feito um trabalho de conscientização e controle para limitar e estabilizar a rotação na lombar e aumentar a rotação na região torácica onde existe uma rugidez, a Lombar pode acabar se lesionando ou agravando um problema já existente. Veja bem que, pessoas com limitações de torácica e hiper mobilidade de lombar correm grande risco de sofrerem patologias mais sérias na lombar e, o exercício de rotação seria extremamente benéfico caso sera corretamente executado para corrigir esta deficiência.

Por isso, é importante que as pessoas portadoras de patologias ou dores musculares, antes de tentar se aventurar em casa, seguindo livros ou fitas, procurem um profissional habilitado para que aprendam corretamente os movimentos.

Na verdade a eficiência da prática da Yoga ou do Pilates vêm do desenvolvimento de um senso mais apurado de consciência corporal, dando chance ao corpo de se movimentar e responder de novas maneiras. Você passa a perceber o que a sua coluna está fazendo, vai alongar os músculos que estão tensos e encurtados e vai fortalecer os que estiverem fracos e instáveis.



Postado by S. Bisello 06/12/2009

domingo, 14 de novembro de 2010

Astanga yoga


video

 

O que é

O Astanga(Ashtanga) Vinyasa Yoga, uma variante do Hatha Yoga, é o sistema de Yoga ensinado por Sri K. Pattabhi Jois no Ashtanga Yoga Research Institute, em Mysore, Índia. Este método de Yoga envolve a sincronização da respiração em progressivas séries de posturas.
É um processo que produz um intenso calor interno e um suor purificador que desintoxica músculos e órgãos. O resultado é a melhora da circulação, um corpo leve e forte e uma mente tranqüilla.

A prática
O Astanga Vinyasa Yoga é praticado em séries fixas de posturas, o praticante vai passando progressivamente de uma série para outra de acordo com a evolução de sua prática.
Todas as práticas iniciam com a repetição do súria namaskara(saudação ao sol) A e B, cinco vezes cada um, em seguida há uma sequência de posturas em pé, chamadas de Yoga chikitsa (Yoga terapia) e então entra-se na série propriamente dita(1,2...) para encerrar, termina-se a prática com as posturas finalizadoras, que vão compensar os movimentos feitos pelo corpo, é muito importante sempre encerrar a sua prática com as posturas finalizadoras e um bom relaxamento.

Duração:
A prática leva cerca de uma hora para um iniciante(ainda aprendendo a seqüência) e por volta de uma hora e meia para um aluno que já tenha finalizado a seqüência.
Tipos de aula:
Mysore: Aula em que cada aluno segue seu ritmo pessoal, vai aprendendo gradativamente a série e com isso tem flexibilidade no horário. O instrutor permanece na sala ensinando simultaneamente vários alunos, cada um em seu ritmo.
Conduzida: Nesta aula o aluno segue o fluxo do grupo que é comandado pelo instrutor, este vai ditando postura por postura e demarcando o ritmo da prática e o número certo de vinyasas. Todos iniciam e terminam a prática no mesmo horário.

Dicas de prática

A chave para a prática é a consciência. Procure sentir seu corpo, perceba se o que comeu ou fez durante o dia o faz sentir bem na prática, lembre-se de que mudar seus hábitos só depende de você.
1) Pratique de estômago vazio. Para isso espere, pelo menos, 3 ou 4 horas depois de uma refeição completa. Água ou bebidas medicamentosas podem ser tomadas em pequenas quantidades antes da prática, caso necessário. Não beba água durante ou logo depois da prática, a saliva é suficiente para umidecer a garganta. Espere o final do relaxamento para fazê-lo.
2) A bexiga e o intestino devem estar vazios para a prática. As saudações ao sol, as posturas em pé e as posturas invertidas ajudarão na evacuação e melhorarão o funcionamento do intestino. Comer em grande quantidade é obstáculo para uma prática correta dos asanas e pranaiamas.
3) As roupas devem ser confortáveis e elásticas. Bermudas e blusas curtas são melhores para a prática, já que permitem transpirar e verificar o alinhamento exato do corpo. Evite usar: meias, colares, anéis, relógios e outros acessórios durante a prática.
4) Prepare-se para suar em abundância. Não tenha medo de sentir cansaço, se assim acontecer, recoloque a atenção na respiração, mova-se com mais consciência e estabilidade no baixo-abdômen e sincronize a respiração com o movimento(vinyasa). Assim, surgirá em você uma nova energia eliminando o cansaço e fortalecendo a mente e o corpo.
5) Tônus é diferente de força. Evite usar força nas posturas ou movimentos, somente tonifique os músculos. Mantenha os músculos da face relaxados, sem demonstrar raiva ou frustração com o próprio corpo.
O Yoga é uma oportunidade de trabalhar sobre as próprias emoções, mais do que negá-las ou projetá-las para o exterior. Gradualmente e inevitavelmente as transformações ocorrem.
"Pratique e tudo virá." Sri K. Pattabhi Jois

Ashtanga

Ashtanga, ou Astanga significa 8 partes, são os 8 passos progressivos
estabelecidos pelo sábio Patanjali, codificador do Yoga Clássico, para se alcançar a "união do ser com o todo"(yoga).
1) Yamas - Condutas éticas e morais

2) Nyamas - Purificação
3) Asanas - Posturas
4) Pranayamas - Controle consciente da respiração
5) Pratyahara - Estado de observação sem envolvimento dos sentidos
6) Dharana - Concentração
7) Dhyana - Meditação
8) Samady - Contemplação
Ujjayi Pranayama

O pranayama(técnica para controle da respiração) Ujjayi deve ser utilizado durante toda a prática.
UJJAYI: Significa “Vitória Extendida“, conhecida como“Respiração Vitoriosa”. É um pranaiama que se caracteriza pelo som emitido pela fricção do ar com a garganta(gloti). No início a tendência é fazer o Ujjayi somente na expiração, o que tenderá ao equilíbrio com tempo e consciência. O praticante deve buscar igualar o tempo entre inspiração e expiração. Com a prática constante o Ujjayi torna-se suave e profundo. 

Trístana
A tríade Vinyasa, Bandas e Drishti formam nesta ordem uma parte muito importante da prática. Veja abaixo o que significam:

VINYASA: Conexão entre movimento e respiração. Para cada movimento há uma inspiração ou expiração correspondente. Na prática de Ashtanga Yoga existe um número correto de Vinyasas para montar e desfazer cada postura.
BANDHAS - São as contrações internas feitas durante a prática.
Mula Bandha: Contração da região do perínio
Uddiyana Bandha: Contração do baixo abdômen
Jalandhara Bandha: Contração da gloti, enfatizada pelo Ujjayi Prananyama
DRISHTI:  Foco - direção do olhar. Em cada postura há um ponto específico para onde olhar. Os principais drishtis ou pontos focais do olhar são: a ponta do nariz, entre as sobrancelhas, para o umbigo, ponta dos dedos, pés, à frente ou para a lateral. No início é difícil mantê-los, mas depois de algum tempo de prática, o olhar focado dá equilíbrio e tem efeito relaxante sobre o corpo e a mente.

Séries

O Astanga Vinyasa Yoga é dividido em 6 séries progressivas de posturas.
Primeira série, intermediária, avançadas 3, 4, 5, 6.
Veja abaixo a primeira série do Astanga Yoga ilustrada.




 

 


sábado, 13 de novembro de 2010

Meditação à luz da ciência

Medicina se rende à prática da meditação

Ministério da Saúde baixou portaria incentivando postos de saúde e hospitais a oferecer a técnica em todo o País.




Em fevereiro, a agência do governo dos EUA responsável pelas pesquisas médicas (NIH, na sigla em inglês) reconheceu formalmente a meditação como prática terapêutica que pode ser associada à medicina convencional. Em maio, o Ministério da Saúde brasileiro baixou uma portaria em que incentiva postos de saúde e hospitais públicos a oferecer a meditação em todo o País.

Essas ações governamentais são sinais da tendência de encarar a meditação não simplesmente como prática de bem-estar, que faz bem apenas à mente e ao espírito. Parar diariamente alguns minutos para se concentrar e se desligar do turbilhão de pensamentos que ocupam constantemente a cabeça também ajuda a manter a saúde física.

"A meditação é diferente da medicina convencional porque quem cuida de você não é o médico. É você mesmo", explica a médica anestesista Kátia Silva, que coordena as atividades de meditação no Hospital Municipal Vila Nova Cachoeirinha, em São Paulo.

Relativamente recentes, as pesquisas começaram nos anos 70. Uma pesquisa com a palavra meditação no acervo online da Biblioteca Nacional de Medicina, do governo americano, traz 1.400 estudos científicos.

Entre outros benefícios, meditar previne e combate a depressão, a hipertensão arterial, a dor crônica, a insônia, a ansiedade e os sintomas da síndrome pré-menstrual, além de ajudar a reduzir a dependência de drogas.

Esses estudos mostram que a meditação reduz o metabolismo - os batimentos cardíacos e a respiração ficam mais lentos e o consumo de oxigênio pelas células cai. É isso que dá a sensação de relaxamento e tranqüilidade.

As mesmas pesquisas sugerem que prática também interfere no funcionamento do sistema nervoso autônomo, que é responsável, por exemplo, pela liberação dos hormônios noradrenalina e cortisol durante os momentos de stress. Em quem medita, a duração dessas "reações de alarme" são mais curtas. Dessa forma, a pressão do sangue e a força de contração do coração ficam alteradas por pouco tempo, comprometendo menos a saúde.

Apesar de serem evidentes os benefícios, a ciência ainda não consegue entender completamente como a meditação age no sistema nervoso. "Uma das dificuldades é o fato de não serem possíveis testes com modelos animais", explica a bióloga Elisa Kozasa, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Segundo especialistas, mudanças podem ser sentidas logo nas primeiras semanas. A aposentada Maria Elza Lima dos Santos, de 60 anos, descobriu a meditação no Hospital Vila Nova Cachoeirinha. Ela vivia com crises de pressão alta, que passaram após quatro meses de práticas diárias. "Antes, eu era muito nervosa. A cabeça estava sempre cheia de problemas. Aí a pressão subia. Agora fico mais relaxada, sinto uma paz de espírito", conta ela, explicando que no princípio teve dificuldades com a técnica. "Levei um mês para aprender a me concentrar."

NA TRILHA DA ACUPUNTURA


O obstetra Roberto Cardoso, autor de Medicina e Meditação - Um Médico Ensina a Meditar (MG Editores, 136 págs, R$ 26), diz que muitos profissionais de saúde ainda têm preconceitos. "Mas isso deve mudar. A meditação começa a trilhar os passos da acupuntura, que já é um recurso reconhecido pela classe médica."

No Brasil, a instituição que mais estuda o tema é a escola médica da Unifesp, o que, segundo especialistas, ajuda a apagar a imagem religiosa e mística que normalmente se tem dos meditadores. A meditação não precisa ser necessariamente ligada a uma crença oriental.

Para que a meditação cumpra seu papel de medicina complementar e preventiva, o psicólogo José Roberto Leite, da Unifesp, explica que ela deve ser diária e constante. "É como comer ou fazer exercícios. Não basta uma semana para que você se mantenha saudável."